Espuma viscoelástica, o material da NASA?

Espuma viscoelástica, o material da NASA?

A evolução no campo dos materiais utilizados na fabricação de colchões foi notável durante as últimas décadas. Novos sistemas de cais, novos materiais de conforto para as capas superiores… um mundo no que nos podemos perder facilmente. Se estás lendo estas linhas é muito provável que a última vez que tenhas falado de colchões tenha sido faz mais de 10 anos, pois bem, te avisamos. Desde então muitas coisas mudaram.

No campo do conforto se têm feito muitos avanços que permitem fazer mais pessoal a experiência do descanso. Como? As inovações permitem fazer mais “à carta ”as propostas e dessa maneira poder oferecer combinações diferentes que se ajustam às necessidades de cada pessoa.

Por exemplo, a espuma viscoelástica já não é algo inovador hoje em dia. De facto, se trata de um material que se criou nos anos setenta para aliviar a pressão que sofriam os astronautas da força da gravidade durante a decolagem e foi desenvolvido para a NASA no seu centro de investigação Ames. Se buscava um material viscoso e elástico. Embora nunca chegou a ser empregado na indústria aeroespacial.

Nos anos noventa é quando a espuma viscoelástica se começou a utilizar no setor do descanso concretamente em hospitais. Ao não produzir nenhum tipo de pressão sobre o corpo podiam ser utilizado em colchões de pacientes que pela sua dolência precisavam de acontecer grandes períodos de tempo na cama e evitar ter chagas.

Hoje em dia seu isso está estendido em todo tipo de colchões, o seu principal uso é como complemento de um núcleo que pode ser de cais ou de espumas HR. Ou seja, esta tecnologia se usa como uma capa que se coloca baixo a parte superior dos colchões e contribui um grau de conforto agradável, mas que não sofre nenhum afundamento. Por isso, o seu uso como núcleo não está muito estendido dado as limitações que tem a nível de conforto e regulamento de temperatura.

espuma viscoelástica

Caraterísticas do material viscoelástico

Mas…   que é o VISCO? De uma maneira simples, se trata de uma espumación técnica que muda a sua forma e firmeza em contato com o calor corporal. Para entender-nos, se nos tombamos em cima, a área sob o nosso corpo irá perdendo firmeza reduzindo os pontos de pressão. O material se amolda a todo o corpo e dissipa a pressão de maneira uniforme. Este material se usa principalmente para fazer travesseiros e colchões. O seu uso combinado com outros materiais que contribuam o nível de firmeza que a nossa coluna precisa de é uma boa combinação para conseguir um descanso de qualidade.

Os colchões Mercury de Pikolin é um exemplo do anterior, o uso da tecnologia dos cais de última geração junto com o material viscoelástico neste caso com particulas de GEL, o mais inovador em descanso. Na sua fabricação se utiliza por um lado a tecnologia Normasense, baseada num bloco de cais de fio contínuo com inserções de espumación de alta resiliencia que proporciona uma máxima adaptabilidade à ergonomia do dormente e por outro lado, também incorpora a tecnologia Memory Gel, uma espuma viscoelástica que incorpora particulas de gel na sua composição; deste modo conserva todas as propriedades benéficas para o descanso do material viscoelástico e minimizando o efeito calor.

Em Pikolin sabemos que o mais importante para obter um descanso de qualidade é escolher uns bons colchões, sem importância do seu material de fabricação, cais, látex, viscoelásticos… O importante é que cumpra os requisitos necessários para que o seu corpo descanse e se levante em perfeitas condições para enfrentar o dia.

 

Classifique este artigo: